O presidente Jair Bolsonaro deve assinar,até a próxima terça-feira (15), o decreto que regulamenta a posse de armas de fogo no Brasil, informou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O ministro fez a afirmação após a cerimônia de posse do novo comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, em Brasília, na qual estavam o presidente Jair Bolsonaro e várias autoridades federais.

Segundo o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que foi recebido há quatro dias pelo presidente Bolsonaro, o texto deve incluir anistia a portadores de armas irregulares, permitindo que o cidadão que tem arma em casa, sem registro ou com o documento vencido, faça o recadastramento.

De acordo com Fraga, o decreto também deve acrescentar um dispositivo que vai tirar do delegado da Polícia Federal o poder de decidir se a pessoa poderá obter a posse, além de elevar o prazo do registro da arma de três para 10 anos.

Fraga acrescentou que o decreto deverá ainda suprimir a necessidade comprovada para obtenção de posse de arma de fogo. Segundo o deputado, bastará o cidadão informar o motivo pelo qual deseja ter uma arma em casa. A justificativa não será mais um impeditivo.

A legislação é clara ao distinguir posse e porte de arma. A posse de arma de fogo, tratada no futuro decreto, permite ao cidadão ter a arma em casa ou no local de trabalho. O porte, que não será contemplado nesse decreto, diz respeito à circulação com arma de fogo fora de casa ou do trabalho.

Agencia Brasil

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de João Pessoa divulgou nesta quinta-feira (10) os editais para os processos seletivos das Residências Médica e Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade. Ao todo, serão disponibilizadas 68 vagas e as inscrições seguem até o dia 31 de janeiro. Os dois editais e outras informações referentes à seleção estão disponíveis através deste link.

Leia também: UFCG e Unipê abrem 26 vagas para Residência Médica

Para a residência médica serão disponibilizadas 43 vagas, distribuídas nas seguintes especialidades: medicina de família e comunidade (20), clínica médica (6), ortopedia e traumatologia (4), neonatologia (3), cirurgia geral (3), programa de pré-requisito em área de cirurgia básica (3), coloproctologia (2) e anestesiologia (2).

Já para a residência multiprofissional estão disponíveis 25 vagas nas seguintes áreas: enfermagem (9), farmácia (4), fisioterapia (4), nutrição (4) e psicologia (4). As atividades das residências médica e multiprofissional serão realizadas nos territórios da Estratégia de Saúde da Família, hospitais e outros serviços da Rede Municipal de Saúde, de acordo com a área de cada programa.

De acordo com o gerente de Educação na Saúde, Davy Alves, os programas de residência contribuem de forma efetiva para a formação dos profissionais por meio da atuação nos serviços da rede municipal. “As residências resultam em crescimento profissional, além de maior qualidade e dinamismo no atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde, reorientando a prática profissional nas nossas unidades assistenciais”, afirmou.

Conforme disposto nos editais, os dois processos seletivos serão compostos por três etapas: prova escrita de caráter eliminatório, entrevista individual e avaliação curricular. A primeira fase está prevista para acontecer no dia 10 de fevereiro e o resultado final da seleção deverá ser divulgado no dia 20 do mesmo mês.

As inscrições e os processos seletivos serão realizados pela Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba. Em caso de dúvidas, os interessados podem entrar em contato com a comissão organizadora por meio do telefone (83) 3211-6737.

Rede Escola

As residências médicas, assim como estágios, pesquisas e visitas técnicas na Rede Municipal de Saúde são coordenadas pela Gerência da Educação na Saúde da SMS, através do projeto Rede Escola. O projeto estabelece parcerias na construção e efetivação da aprendizagem pelo trabalho na rede de serviços, favorecendo a melhoria da qualidade e humanização do atendimento prestado à população.

portalcorreio

O Ministério da Saúde registrou, nesta sexta (11), que 1.462 vagas do programa Mais Médicos ainda não foram preenchidas. O número representa 17,2% dos 8.517 postos de trabalho que foram abertos para substituir médicos cubanos, que encerraram o contrato com o governo brasileiro em 14 de novembro.

Na quinta (10), terminou o prazo para que médicos brasileiros com registro profissional no país se apresentassem nos locais onde escolheram atuar. Dos 1.707 que se inscreveram nesta etapa de seleção, 1.087 compareceram aos municípios escolhidos.

As 620 vagas que não foram ocupadas foram somadas a outras 842 que também não tinham sido preenchidas após o fim da primeira etapa, encerrada em 18 de dezembro.

O edital de seleção para o Mais Médicos, lançado no dia 20 de novembro, buscou selecionar profissionais brasileiros, com registro no país, para ocupar 8.517 vagas do programa. Dessas, 5.968 foram preenchidas na primeira etapa de inscrição. As 2.549 vagas restantes foram, então, oferecidas novamente a médicos com diploma brasileiro, na segunda etapa de seleção, que terminou nesta quinta (10).

Veja como está o preenchimento das vagas do programa:

Total de vagas oferecidas na primeira etapa de seleção: 8.517
Quantos médicos se apresentaram na primeira etapa: 5.968
Quantas vagas ficaram disponíveis para a segunda etapa: 2.549
Quantos médicos se apresentaram até sexta (11): 1.087, dos 1.707que estavam inscritos.
Quantas vagas serão disponibilizadas nas próximas etapas: 1.462
Próximas etapas
Nas próximas fases, as mais de 1,4 mil vagas serão oferecidas a médicos que têm diploma estrangeiro — mesmo sem a revalidação do documento.

Os brasileiros formados no exterior escolhem os locais de atuação nos dias 23 e 24 de janeiro. Em seguida, se sobrarem vagas, estrangeiros formados fora do país podem escolher municípios onde trabalhar, nos dias 30 e 31 de janeiro.

Segundo o Ministério da Saúde, 10.205 médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Mais Médicos.

Confira, abaixo, o cronograma com as próximas etapas de seleção para o Mais Médicos:

23 e 24 de janeiro: médicos brasileiros formados no exterior escolhem os locais de atuação entre as 1.462 vagas disponíveis.
30 e 31 de janeiro: médicos estrangeiros formados no exterior escolhem locais de atuação entre as vagas remanescentes.
4 e 5 de fevereiro: brasileiros com diploma estrangeiro começam as atividades (se já tiverem participado das atividades preparatórias).
6 e 7 de fevereiro: estrangeiros sem registro no país começam as atividades (se já tiverem participado das atividades preparatórias).
De 25 a 27 de março: profissionais — brasileiros ou não — com diploma de fora do país começam a trabalhar (depois das atividades preparatórias).
G1

Atual vice-campeão olímpico do solo, Diego Hypolito teme por seu futuro na ginástica artística. Mesmo depois de sua conquista na Rio 2016, o atleta se viu em um cenário que considera um descaso. Sem patrocínios, com sete meses de salários atrasados, Diego Hypolito encerrou seu vínculo com a equipe de São Bernardo do Campo e fez um desabafo.

– Parece que o atleta brasileiro não tem valor. Estou muito triste. É desculpa em cima de desculpa. Eu queria continuar na região de São Paulo, é onde eu nasci, onde voltei a me consagrar. Mas é um descaso. Não tirei férias, quero voltar ao cenário internacional e ir para os Jogos Olímpicos. Sei que tenho potencial, mas parece que no nosso país é praticamente impossível. Jogam a responsabilidade de um para o outro. Duvido que se fosse em qualquer outro país eu teria sido tão destratado. Sou valorizado apenas pela grade massa. Me tratam mega bem. Mas não existe um plano de esporte no Brasil. Nós atletas somos peças de tabuleiro. Somos usados na Olimpíada, mas depois que tem o resultado pouco importa. É difícil construir um sonho dessa maneira – disse o ginasta, em contato com o GloboEsporte.com.

Bicampeão mundial e prata na Olimpíada do Rio, Diego Hypolito afirmou que não recebeu por 7 dos 24 meses que trabalhou para a equipe de São Bernardo do Campo. Segundo o atleta, a Secretaria de Esportes e Lazer (SESP) da cidade do ABC Paulista não repassou aos atletas os recursos que vinham do patrocínio da Caixa ao clube. A SESP foi procurada pela reportagem do GloboEsporte.com, mas ainda não deu uma posição sobre a situação do vice-campeão olímpico.

– O que mais me entristece é que a sempre a desculpa era que a Caixa atrasava. Com bom senso, mesmo sempre precisando de dinheiro, abdiquei de quatro salários. Fizeram uma proposta no meio do ano passado falando que não conseguiriam pagar, mas agora não tem dinheiro. Nunca tinha acontecido isso. É muito decepcionante, porque não foi um lugar que não valorizei. Pelo contrário. Nunca estamos amparados em lugar algum.

Diego afirmou que se manteve calado sobre a situação por muito tempo por causa do que chamou de “terror psicológico”. Ele conta que sofreu pressão para manter tudo por trás das cortinas.

– Eles queriam fechar minha boca: “O certo é ficar calado”. Cheguei no meu limite. É um bando de extintor. Querem apagar o fogo e não te dão solução. Tento me manter íntegro no meio de tanta confusão do país, mas é difícil manter a cabeça no lugar. Para entrar na Olimpíada tem que bater de frente com um batalhão de dirigentes. Tive o resultado. Tem que provar mais o quê? Desse jeito não sei se vou aguentar muito tempo. Nunca tem apoio, só críticos. A própria ginástica não se ajuda. Não vi ninguém apoiando os ginastas que foram abusados. Depois de todo o absurdo do escândalo de abuso sexual, o mínimo que deveria é temos sido abraçados. É como se o atleta fosse punido – disse Diego, lembrando que São Bernardo foi o palco dos abusos do técnico Fernando de Carvalho Lopes, denunciado por molestar pelo menos quarenta atletas.

De novo sem clube
Com o fim do vínculo com o São Bernardo do Campo, Diego Hypolito fica pela segunda vez sem clube. Em 2013, ele viu o fim do projeto de alto rendimento masculino do Flamengo. Passou boa parte do ciclo olímpico da Rio 2016 sem clube, chegou a treinar de favor no Pinheiros, de São Paulo, até acertar com o São Bernardo.

– O que mais me dá desespero é: “Agora onde que vou treinar?” Atletas são sempre jogados de um canto para o outro?

Diego Hypolito acredita que vai receber apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) para treinar no Centro de Treinamento do Time Brasil, dentro do Parque Olímpico do Rio de Janeiro.

– Não é humilhante toda vez estar de favor nos lugares? Passa uma Olimpíada e fico de favor no Pinheiros, agora no CT do Time Brasil. Será que não existe uma instituição para dar apoio? Não tem valor algum o esporte? O esporte deveria ser inclusão social, deveria ser colocado em todos os lugares.

Diego Hypolito ressalta que a maior diferença entre seu período sem clube em 2013 e 2014 para a atual situação é a ausência de um patrocínio pessoal depois da Rio 2016. Hoje ele conta apenas com apoio da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) e do extinto Ministério do Esporte, mas havia deixado o programa do Bolsa Pódio por não ter competido em nível internacional em 2017 e 2018. O vice-campeão olímpico passou por uma cirurgia na coluna no início do ciclo olímpico e por isso não havia recuperado a melhor forma.

Confira o desabafo de Diego Hypolito nas redes sociais
Alguém sabe o limite de um atleta ?? Eu quase descobri!

Foram sete meses sem receber e ainda me submetendo a ficar calado, pois qualquer coisa dita podia espantar novos patrocinadores.

Cansei, meus amigos!

Acabou meu vínculo com São Bernardo do Campo, a Caixa terminou o contrato. Eu não sei como a coisa andou, se a Caixa efetuava o pagamento, mas eu não recebi sete dos 24 meses que trabalhei por lá.

Em certo momento cogitei abrir mão de 4 meses, desde que os pagamentos se tornassem pontuais. Nem assim cumpriram o que foi acordado. Sempre me diziam “Diego, não fala nada! A Caixa pode achar ruim !”. Aliás, eu sempre respeitei a Caixa, que é uma grande incentivadora do esporte Brasileiro.

Estou treinando em alto rendimento, não tirei férias e estou focado para competir no calendário 2019. Uma pena que, mais uma vez, faltou seriedade na gestão esportiva. Talvez o prefeito de São Bernardo, pelo qual eu tenho a maior admiração e estima, não saiba que me devem sete meses de salário. Talvez, do mesmo jeito que me orientavam a não falar nada, o prefeito não soubesse, mas o pessoal da secretaria de esportes deu um show de amadorismo ao receber recursos da Caixa e não repassar ao atleta. Quero apenas receber meus sete meses de salário e a vida segue!

Começo 2019 sem nenhum patrocínio e nenhuma estrutura para treinar literalmente sem salário.

Vejamos a que ponto o esporte brasileiro chegou, sou medalhista olímpico.

Vamos esperar que com o novo rumo que esse país toma possamos encontrar gestores esportivos sérios e que possam nos ajudar a seguir em frente.

Para o Diego é só mais uma adversidade e eu vou me levantar!

A partir de segunda vamos procurar novo lugar para treinar, novos patrocinadores que acreditem no nosso potencial e gestores públicos que sejam sérios em cumprir com seus compromissos.

G1

De férias pelo nordeste, o apresentador da A Praça É Nossa, do SBT, Carlos Alberto de Nóbrega usou suas redes sociais para registrar sua passagem por João Pessoa, e foi só elogios a cidade e aos pessoenses.

“Estamos fazendo um. Passeio pelo Nordeste. O Brasil é lindo. Estou agora em João Pessoa.. Que praias!!! Que gente carinhosa. E como eles gostam da praça! Viva o brasil!!!!!!!!!!!!!!!”, publicou em seu instagram.

Sempre bem humorado,, o apresentador ainda brincou com a presença da sua esposa Renata Domingues na foto. “Agora que vocês já leram… deem uma olhada no corpinho de 82 anos. Não precisam olhar pra RENATA! Kkkkkkkkkkk”.

 

 

Fonte: Instagram @calbertonobrega

Levantamento feito pelo Paraíba Já junto ao site do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), através do Sistema de Acompanhamento da Gestão dos Recursos da Sociedade (Sagres), revela que, somente nos primeiros onze meses de 2018, foram injetados nos cofres da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) R$ 20.285.358,47 provenientes de multas aplicadas pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob).

Conforme o levantamento, apenas no mês de outubro do ano passado, a Semob arrecadou R$ 2.554.701,82 em multas. Em agosto de 2018, o montante arrecadado foi de R$ 2.443.090,57.

O levantamento mostra que a Semob ainda não disponibilizou ao Tribunal de Contas do Estado o montante arrecadado com a aplicação de multas no mês de dezembro do ano passado.

Confira abaixo quanto entrou mês a mês nos cofres da PMJP com a arrecadação de multas:

Paraiba.com.br

Bruninho, aos 8 anos, tem uma personalidade bem forte e, geralmente gosta de brincar com o videogame, fica no celular jogando ou assistindo alguns vídeos que ele gosta. Ele me chama de ‘mãe Soninha’, mas a iniciativa de me chamar de mãe foi dele. Desde pequeno, eu sempre mostrei fotos da mãe dizendo ‘esta é a mamãe Eliza’ e, até hoje, eu refiro a mim como avó apesar de ele me chamar de mãe. Acredito que isso seja da natureza do ser humano falar mãe e pai antes de dizer vó ou tia. Eu sempre falei pra ele que a mãe Eliza está morando com o Papai do Céu e que virou uma estrelinha.

Eu sempre contei a ele sobre as coisas que ela gostava de fazer e alguns gestos dele ou modo de olhar lembram muito ela. Eu sempre falei que a mãe dele era uma menina carinhosa, que gostava de jogar bola, alegre, com boas amizades, muito companheira… Muitas vezes ele queria detalhes como o que ela gostava de comer. Ele adora comer batata frita com ketchup como a mãe. Quando vi essa cena, meus olhos encheram de lágrimas.

– O que foi, mãe Soninha?
– Nada. Você está fazendo como sua mãe Eliza. Ela adorava comer batata frita assim.

Tem coisas que a mãe adorava fazer quando criança que ela gosta das mesmas coisas e isso me remete àquela época. Ele tem um gênio teimoso, forte, determinado, meio mandão, mas com carinho e amor, tem boas conversas e a gente consegue chegar num eixo. Sempre disse que a mãe era obediente, eu a colocava sentada em algum lugar sentada dizendo ‘Eliza, fiquei aqui’ e ela respeitava.

– A vó nunca precisou deixa-la de castigo e sempre foi uma menina muito boa.

O crime

Ele sabe que a mãe foi morta, que não existe um corpo da Eliza, que os assassinos sumiram com o corpo dela, mas ele não sabe dos detalhes. Acho que ele é muito novo para uma carga pesada como essa. Ele sabe que o pai dele é o responsável, que é mandante do crime. Ao que me parece, o Bruninho não ficou chocado com essa informação porque já vínhamos trabalhando isso há cerca de dois anos, quando ele começou a perguntar do pai.

– Por que eu não posso conhece-lo?
– Porque ele foi preso.
– Foi por causa de roubo ou drogas?
– Não.
– Ele matou alguém?
– Não, ele foi responsável pela morte de uma pessoa.

Em maio do ano passado, ele me questionou como a mãe tinha morrido, eu devolvi a pergunta ‘o que você acha que aconteceu?’ e ele respondeu ‘acho que meu pai é responsável pela morte da minha mãe’. Eu falei ‘então vamos conversar’. Quis saber se alguém tinha contado alguma coisa, mas ele disse que não. Então meu neto percebeu que eu não gostava de ouvir a respeito nem de ver as entrevistas do pai dele. Também não o deixava ver. Ele começou a tirar suas próprias conclusões e eu confirmei que sim.

– Quem é a outra pessoa que meu pai tentou tirar a vida?

Eu já tinha dito que o pai tinha feito isso duas vezes.

– Você, respondi.

Ele ficou em silêncio, espantado.

– Mãe Soninha, eu era um bebê!

As lágrimas vieram [Sônia faz uma pausa para chorar]. É doloroso até hoje tocar neste assunto, mas ele me falou:

– Não sofra. Não quero te fazer sofrer.
– Você não me faz sofrer. É você que acalma o meu coração hoje em dia e é por você que eu luto. A dor é muito grande’.

Desculpa. [Sônia para o depoimento para chorar]

O pai

Quando o Bruno pediu progressão de regime no ano passado, eu fiquei triste, sabe? Indignada não com a Justiça, mas com nossas leis porque isso está previsto lá. Todo preso tem este direito. É doloroso saber que uma pessoa matou sua filha, sumiu com o corpo e você não tem o corpo dela… Não sei se um dia eu vou ter. Eu fico muito indignada com as leis do nosso país.

Eu tenho medo que ele venha procurar o Bruninho e, por isso, levo ele na escola, busco e tomo todos os cuidados. Sempre ando por ruas alternativas, nunca pelo mesmo caminho. Médicos e psicólogos que ele frequenta sempre sou eu quem levo. Deixei de trabalhar para viver para ele.

Meu neto sabe que existe a possibilidade de uma futura batalha judicial pela guarda dele. Sei que sou um peixinho pequeno e o Bruno é um tubarão, mas eu faço qualquer coisa pelo meu neto e vou até às últimas instâncias, sempre dentro da lei. Não faço alienação parental, pelo contrário: sempre digo que ele tem de orar pelo pai para que Deus tenha misericórdia e que, um dia, ele possa se arrepender do que fez, mostrando com gestos, atitudes. Acredito que se meu neto estiver comigo, eu vou ter forças para uma batalha judicial contra ele sim.

Graças a Deus, eu não passei necessidade financeira ou dificuldade. Às vezes passamos por um aperto ou outro, mas isso é normal na vida de qualquer um. Não recebo nenhum tipo de ajuda do pai e o sustento da minha família vem do meu marido. Esses tempos atrás, eu estava fazendo salgados, mas parei. Às vezes acho que vale mais a pena me dedicar ao Bruninho e poder ficar de olho nele.

Eliza

Até o último segundo de minha vida ainda terei esperanças de poder enterrar minha filha. Tenho orado muito a Deus para que o coração dessas pessoas que tiveram envolvimento no crime possam, um dia, dar um telefonema ou dizer que o corpo não existe mais. [Sônia chora] Eu tenho esperanças sim. É um desejo muito grande no meu coração de poder enterrar minha filha. O Bruninho veio até mim em maio, perto do Dia das Mães, e me perguntou onde que a mãe dele estava enterrada. Eu falei que não sabia. Sumiram com o corpo dela. Eu mereço ter uma resposta. Meu neto também merece saber o que foi feito.

Lidar com a dor é algo difícil. No meu dia a dia, procuro ao máximo ocupar meu tempo fazendo algum serviço para não ficar pensando na dor. Durante a noite é um momento muito difícil. É aquele momento de reflexão e oração e, muitas vezes, demoro para pegar no sono, durmo pelo cansaço, choro sempre quando vêm as lembranças dela. O Bruninho gosta de ter fotos dela espalhadas pela casa, inclusive tem uma ao lado do computador, em cima da geladeira e em cima do armário. É difícil. Às vezes vejo um gesto do meu neto e me remete a alguma lembrança dela. Dizer que a dor passa com o decorrer do tempo não é verdade. Você aprende a conviver. É uma ferida aberta. Contar tudo isso dói. É com uma ferida aberta que sangra quando é tocada.

Eu tenho muita foto dela. Eu gosto de lembrar da minha menina com aquele sorriso que ela sempre tinha, brincalhona, sarrista… Bruninho tem muito disso, igual a ela. Faz muita brincadeira. As melhores lembranças da minha filha eu carrego comigo, sabe, porque a imprensa denegria a imagem da minha filha em favor do Bruno. As coisas que falaram dela ainda me machucam muito. O lado mãe, o lado mulher, quem conhecia era eu. Ela não era uma vagabunda.

A Eliza nunca me contou o que acontecia entre ela e o Bruno. O meu relacionamento com o pai dela era parecido com o que ela vivia com Bruno: eu sofria violência doméstica. Uma vez quase perdi o olho direito porque levei um soco e ficou muito inchado, então tive ameaças de morte, mas minha história foi diferente porque eu fugi. A Eliza teve força, teve garra de lutar pelo filho, pelos direitos dele, pelo que ela acreditava ser certo.

A minha filha foi muito pré-julgada pelas pessoas que acompanharam os noticiários pelo fato do Bruno ser goleiro do Flamengo, sabe? Ninguém quis saber se ela tinha mãe, irmão, acreditaram nas fake news que diziam que eu tinha abandonado minha filha aos 4 meses, coisas que não são verdadeiras. Distorceram a imagem dela o máximo que puderam. O Bruno fez isso como forma de usar em sua defesa. A minha filha passou de vítima a ré. Eu fui pré-julgada, humilhada muitas vezes. Diziam ‘que mãe é essa que abandonou a filha?’, falavam que eu estava interessada no dinheiro do Bruno, que eu era uma mercenária, mas ninguém nunca veio na minha casa para ver como eu vivo, do modo como meu neto é tratado e criado. Só sabiam julgar.

Nessa história toda, quem mais perdeu foi meu neto. Ele perdeu uma vida inteira com a mãe [Sônia chora]. A Eliza estava vivendo o melhor momento de sua vida, que era a maternidade. Tiraram a vida dela aos 25 anos. Tinha acabado de realizar o sonho de ser mãe e não pode levar a frente, nem vê-lo crescer… Quando eu vou à escola nas homenagens de Dia das Mães, me dói pensar que era pra ser pra minha filha e não pra mim. Eu me pergunto até hoje ‘Por que essas pessoas (se é que posso chama-las assim) fizeram isso? Tudo por causa de dinheiro?’. É difícil falar… [Sônia pausa mais uma vez o depoimento para chorar]

Eu só gostaria de pedir o corpo da minha filha e um pouco de paz para poder criar o meu neto. A única coisa que eu quero é criar meu neto e que ele seja meu companheiro para que eu possa vê-lo crescer, ser um homem digno.”

Revista Marie Claire / Paraiba.com.br

A edição 2019 do maior festival de caprinos e ovinos do Brasil, a Festa do ‘Bode Rei’, realizada na cidade de Cabaceiras, no Cariri Paraibano, será lançada neste sábado (12), às 18h, dentro do 29º Salão de Artesanato da Paraíba, no Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa. Durante o lançamento, serão apresentadas as novidades da festa do Bode Rei deste ano, que vai acontecer nos dias 31 de maio, 1º e 2 de junho.

Leia também: Estação Cabo Branco tem programação especial de férias; veja

Com o objetivo de promover a cadeia produtiva da caprinovinocultura e estimular o turismo rural, cultural e ecológico, o festival conta com exposições e feiras de animais, mostras de artesanato, gastronomia ‘bodística’, apresentação de danças folclóricas, competições, palestras, cursos e muito forró.

O prefeito de Cabaceiras, Tiago Castro, afirmou o compromisso com a festa do Bode Rei e anunciou esforços para realizar mais uma edição de sucesso do evento. Segundo ele, a iniciativa visa garantir o espaço merecido à atividade da caprinocultura, que é tão importante para o município. O gestor adiantou um dos atrativos previstos para a festa de lançamento.“Será assinado, no dia do lançamento, o decreto do Dia Mundial da Carne de Bode”.

Homenagem ao centenário de Jackson do Pandeiro
A Festa do Bode Rei também homenageará o centenário do Rei do Ritmo, Jackson do Pandeiro, paraibano ilustre que levou o nome do estado para o mundo. O prefeito Tiago Castro disse que no evento terá um espaço especial para homenagear Jackson e sua história.

portalcorreio

A 109ª edição do Campeonato Paraibano começa neste fim de semana. Com o tradicional equilíbrio e uma disputa bem aberta, o estadual de 2019 vai contar com o Botafogo-PB, atual bicampeão, buscando um tricampeonato que não acontece desde a década de 1980, quando o Treze protagonizou a façanha. O Galo da Borborema, por sua vez, deseja sair do jejum e voltar a levantar a taça, algo que não acontece desde 2011. Completando o trio de ferro está o Campinense, que apostou em Francisco Diá, o último técnico a levar a Raposa ao título, para voltar a viver dias melhores. O estadual ainda conta com a tradição completa das equipes sertanejas – Atlético-PB, Esporte e Nacional de Patos, além do Sousa – e de clubes emergentes, como CSP, Serrano-PB e a boa novidade trazida por uma Perilima que está sob nova direção e vem com investimento.

Clubes, grupos e tabela já estão definidos. A edição 2019 do Campeonato Paraibano está prestes a começar. Por isso, o GloboEsporte.com apresenta agora o tradicional guia do estadual. Confira!

FPF SOB NOVO COMANDO
O ano de 2019 tem tudo para marcar uma nova época do futebol paraibano. Isso porque, um ano após a Operação Cartola, que escancarou esquemas pesados de corrupção no futebol do estado, e os seus desdobramentos, a Federação Paraibana de Futebol (FPF) inicia a temporada sob nova direção. Esta, inclusive, vai ser a primeira edição da 1ª divisão com Michelle Ramalho sendo a presidenta da entidade. E, mais do que isso, a mandatária ganhou um forte apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para organizar a competição.

E nessa parceria entre a FPF e a CBF, a entidade máxima do futebol brasileiro enviou representantes, como Arthur Alves, que está responsável por coordenar a arbitragem, que ganhou o reforço de Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, paulista do primeiro escalão do apito no Brasil. Além disso, Manoel Flores, diretor de competições da CBF, participou do arbitral que definiu o regulamento da edição do estadual de 2019.

Nos mínimos detalhes, o apoio da CBF está presente até mesmo no logotipo oficial do Paraibano de 2019. Ou seja, para a nova edição, as cores da bandeira do estado, vermelho e preto, ficaram fora, e o mapa da Paraíba ganhou o verde, o amarelo e o azul, cores da bandeira do Brasil.

A nova gestão da FPF, no entanto, começa também envolvida em polêmicas. Reportagem do Esporte Espetacular, da TV Globo, ainda em dezembro, apontou supostas irregularidades no processo eleitoral. Michelle Ramalho agiu rápido e criou uma comissão de clubes para investigar toda a documentação do pleito, inclusive com a presença do Ministério Público.

Polêmicas à parte, a presidenta da FPF parte para o seu maior desafio no ano de 2019: organizar um campeonato limpo e sem problemas, diferente dos últimnos que protagonizaram aberrações por parte de clubes e entidade e terminam em processos na justiça. A missão está lançada!

O REGULAMENTO
Para 2019, o Campeonato Paraibano vai ser realizado em 14 datas, começando no dia 12 de janeiro e chegando ao fim no dia 21 de abril. Os 10 clubes que estão na disputa foram distribuídos em dois grupos de cinco. Na primeira fase, os times da Chave A enfrentam os da B em duelos de ida e volta. Os dois primeiros colocados de cada grupo garantem vaga nas semifinais, enquanto os lanternas estarão rebaixados para a 2ª divisão de 2020.

O detalhe é que o sorteio que definiu o posicionamento de cada clube contou com critérios. Por exemplo, Campinense e Treze necessariamente não poderiam ficar na mesma chave, da mesma forma, acompanharam: Sousa e Atlético-PB, Botafogo-PB e CSP, Nacional e Esporte de Patos, além de Serrano-PB e Perilima. Ou seja, o Clássico Tradição, entre Botafogo-PB e Treze, não vai acontecer durante a primeira fase do estadual.

No mata-mata, não há cruzamento entre as chaves; líder e vice-líder do Grupo A se enfrentam em jogos de ida e volta, de um lado, assim como os da Chave B duelam em duas partidas do outro. Os vencedores ao longo dos 180 minutos vão fazer a decisão, programada para abril, também em dois confrontos.

O formato é semelhante ao de 2018, porém é mais enxuto e mais claro em seus detalhes. Inclusive, a princípio, o regulamento agradou todos os representantes de clubes e da FPF.

O PARAIBANO COMEÇOU EM 1907, 1917 OU 1919?
Falar da história do Campeonato Paraibano é um desafio. Isso porque são vários asteriscos ao longo dos anos, e a FPF não faz nenhum esforço para colocar um ponto final nas dúvidas. A começar pelo ano da primeira competição. Muitos cravam 1917, quando o Pio X se sagrou campeão de um campeonato minimamente organizado; outros apontam para 1919, quando surgiu a Liga Desportiva Parahyba, precursora da atual Federação.

Mas, nos últimos anos, os historiadores vêm considerando mais a hipótese de o primeiro campeonato ter sido realizado em 1908, quando finalmente os times existentes à época se organizaram para uma disputa. Essa é a linha também adotada neste guia.

Ainda assim, existem outras polêmicas. O campeonato de 1922 não aconteceu, mas o Pytaguares é reconhecido como campeão daquele ano por ter vencido o Torneio Início. Em 1930 e 1951, o campeonato de fato não aconteceu. Em 1975, o título foi dividido por Botafogo-PB e Treze, mas até hoje o Campinense briga na Justiça para tirar a taça do Galo e ser proclamado campeão. Em 1985, o campeonato não foi decidido por falta de datas; e em 2002, o Botafogo-PB questiona o título do Atlético de Cajazeiras, que teria escalado um jogador irregular. Para a Federação, vale o que foi decidido em campo.

Sendo assim, eis os campeões paraibanos ano a ano:

OS CLUBES
O Campeonato Paraibano de 2019 vai contar com Atlético de Cajazeiras, Botafogo-PB, Campinense, CSP, Esporte de Patos, Nacional de Patos, Perilima, Serrano-PB, Sousa e Treze. Muitas camisas pesadas chegam para realizar uma competição que muito promete. Confira abaixo o perfil de cada clube (importante ressaltar que as listas de elencos abaixo são as mais recentes divulgadas pelas próprias equipes e podem diferir da realidade que vai a campo a partir deste fim de semana).

Com o aval do icônico presidente Aldeone Abrantes, o Sousa montou um time bastante interessante para a temporada 2019. Segundo o presidente, o elenco comandado por Jazon Vieira conta com paredão, xerife, maestro e matador. Bom humor do mandatário do Dinossauro à parte, o plantel realmente parece convincente.

Os candidatos a destaque são o atacante Marcelo Nicácio, ex-Ceará, e o meia André Beleza, ex-Botafogo-PB e Treze, que, inclusive, vai vestir a 10. Além deles, o goleiro Ricardo, ídolo da torcida, o lateral Iranilson, ex-Ferroviário-CE, e o zagueiro Ramon, ex-Moto Club, são nomes que podem ser importantes.

O técnico Jazon Vieira é quem vai ter a missão de comandar a equipe. Em 2018, o comandante foi responsável por colocar o Dinossauro no mata-mata, caindo para o Botafogo-PB, o campeão, na fase anterior à semifinal.

O Sousa tem um bom time, mas está numa chave pesada, ao lado de outros campeões estaduais. Passar de fase é sim o objetivo principal do Dinossauro no Paraibano, porém, vai desafiar Botafogo-PB, Treze, Serrano-PB e Nacional de Patos.

CONFIRA O ELENCO DO SOUSA PARA 2019:
Goleiros: Murilo, Ricardo e Roniele
Laterais-direitos: Iranilson e Renatinho
Zagueiros: Vagno, Lucas Straub, Ramon, Marcelo e Pedro
Laterais-esquerdos: Kaike e Kayro
Volantes: Dim, Rafinha e Antonio Victor
Meias: André Beleza, Willian Bersan e Luanderson
Atacantes: Marcelo Nicácio, Naôh, Testinha e Jonas Piu Piu
Técnico: Jazon Vieira

Uma equipe para lá de rodada e ao mesmo tempo jovem para embalar o sertanejo Nacional de Patos no próximo Campeonato Paraibano. A começar pela comissão técnica, que vai ter Índio Ferreira como o treinador. O comandante retorna ao futebol paraibano, onde viveu altos e baixos nos últimos dois anos. Se em 2017, por Internacional-PB e Sousa, o técnico foi eleito o melhor na função, em 2018, porém, a sua passagem pelo Atlético de Cajazeiras não foi das melhores.

Agora vai ser a vez de Índio comandar o Nacional de Patos e, se mantendo no Sertão, quer repetir os tempos de Sousa e esquecer a fase no Atlético-PB. Para compor o seu elenco, o treinador trouxe nomes de confiança, como o do zagueiro Carlão, do meia Birungueta e também do atacante Isaías.

Por sinal, Isaías é quem comanda o ataque. O atacante, que já defendeu Auto Esporte e São Paulo Crystal, é candidato a artilheiro do campeonato.

CONFIRA O ELENCO DO NACIONAL DE PATOS PARA 2019:
Goleiros: Júnior Conceição, Nilton e Geffson
Laterais-direitos: Romarinho e Aldry
Zagueiros: Carlão, Reydson, Wesley, Airton Júnior, Taynan e Márcio Paraíba
Laterais-esquerdos: Marcelo Bispo,e Ciel
Volantes: Mychell, Célio, Rico e Curuca
Meias: Birungueta, Celinho, Messinho e Jairo
Atacantes: Rodrigo Potim, Isaías e Mosquito
Técnico: Índio Ferreira

Rumando para uma temporada para lá de importante, o Serrano-PB vai contar com o experiente técnico Luciano Silva. Tudo isso para o ano em que o Lobo da Serra vai disputar, além do Paraibano, o Campeonato Brasileiro da Série D. E os desafios não param por aí: o grupo difícil no qual caiu no estadual vai obrigar a equipe a buscar superar clubes como Botafogo-PB e Treze.

Dentro de campo, o nome mais experiente é o do lateral-direito Ferreira, que acumula passagens por Botafogo-PB, Campinense e Treze. O Lobo também conta com a experiência do também lateral Jefferson Sandes, ex-Galo da Borborema, e do atacante Pedro Henrique, que já atuou na Europa e no futebol asiático.

No início da pré-temporada, o Serrano-PB ainda sofreu duas baixas no setor ofensivo. O primeiro foi Rafael Ibiapino, destaque do Alviverde de Campina Grande na temporada 2018, que recebeu uma proposta e fechou com o Botafogo-PB, e o atacante Dodô, que também chegou a ser anunciado, mas recebeu uma sondagem do futebol internacional e voltou atrás no acerto com o Lobo.

Em uma das temporadas mais especiais na história do Serrano-PB, o grupo difícil e a falta de um elenco mais cascudo, copeiro, podem ser dois entraves para o Lobo da Serra vingar em 2019.

CONFIRA O ELENCO DO SERRANO-PB PARA 2019:
Goleiros: Rodrigo Calchi, Jucimário (Juci) e Victor Berckamp
Laterais-direitos: Lucas Martuchello, Ferreira, Igor Soares e Davyd
Zagueiros: Iago, Lucas Coelho, Weverson e Darlan
Laterais-esquerdos: Jefferson Sandes
Volantes: Igor Vinícius e Fernando Luiz
Meias: Igor Rodrigues, Caike, Renatinho, Diego Furtado, Gabriel, Luan, Anderson e João Vitor
Atacantes: Neto, Jones, Mayke, Lucas Silva, Éverton Henrique, Cláudio, Maicon e Tales
Técnico: Luciano Silva

De volta à Série C do Brasileirão, o Treze agora tenta melhorar o seu desempenho no Campeonato Paraibano. Na temporada passada, a má campanha foi encerrada com a eliminação para o Botafogo-PB, com direito a derrota na ida e na volta na semifinal. Para 2019, porém, o espírito é outro. Porém, do elenco responsável por devolver o Galo da Borborema à terceira divisão do futebol nacional, poucos ficaram e, por sinal, são os pilares do elenco.

Quem puxa a fila é o goleiro Mauro Iguatu, eleito pela torcida alvinegra o cara do Treze em 2018. O clube também manteve o zagueiro Brumati e o bom volante Carlos Copetti. O trio lidera a transição para o ano que vem.

Vale lembrar que o comando técnico também foi trocado: saiu Flávio Araújo, que foi para o Sampaio Corrêa, e chegou Maurílio Silva. A missão do novo treinador é indigesta, vai ter expectativas mais elevadas, já que o seu antecessor conseguiu recuperar o moral do grupo e encerrar a temporada com o vice-campeonato da Série D.

Dentre os reforços, estão o meia Jean Natal, que herdou a camisa 10 de Marcelinho Paraíba, atualmente na Perilima, e o atacante Teco, que chega como uma aposta para um Alvinegro de Campina Grande bem modificado, mas motivado a voltar a ter dias melhores.

Do Trio de Ferro, o Treze é o que vive a maior seca de título estadual. Desde 2011 que o time não conquista o Paraibano. De lá para cá, foram dois vices, um em 2013 e outro em 2017.

CONFIRA O ELENCO DO TREZE PARA 2019:
Goleiros: Mauro Iguatu, Alex e Careca
Laterais-direitos: Diego Superti
Zagueiros: Leo Fioravanti, Júlio Machado, Eduardo, Paulo Mateus e Brumati
Laterais-esquerdos: Patrick Calmon e Tales
Volantes: Elielton, Misso, Samuel, Marinho, Juninho e Carlos Coppetti
Meias: Jean Natal, Chiquinho e Diogo Peixoto
Atacantes: Adailton, Marcão, Ewerton, Ramos, Teco, Victor Kauã e Saldanha
Técnico: Maurílio Silva

Atual bicampeão estadual consecutivo, o Botafogo-PB chega em 2019 como o principal candidato ao título. Apesar das polêmicas e dos afastamentos dos principais dirigentes em decorrência da Operação Cartola, o clube sobreviveu muito bem e promete novamente brigar em quase todas as frentes na nova temporada.

O elenco possui muitos remanescentes, a começar pelo comandante Evaristo Piza, que participou ativamente da montagem do elenco para o novo ano. Além do técnico, nomes cascudos como o goleiro Saulo, o meia Marcos Aurélio e o atacante Nando seguem na Maravilha do Contorno.

Apesar das estrelas, é necessário ressaltar o bom desempenho de um atleta discreto. O meia Clayton também segue no Botafogo-PB em 2019 e pode ser o principal candidato a craque. Isso porque o jogador encerrou a temporada passada em alta, possui 26 anos e costuma se manter muito regular.

+ Acompanhe o dia a dia do Belo

Dentre as contratações, os principais nomes estão na zaga. O primeiro é Willian Goiano, que chega ao Belo após muito se destacar no Campinense. O segundo é o jovem Donato, que foi revelado pelo Atlético Mineiro e é candidato a liderança no Alvinegro de João Pessoa. Na defesa, a baixa foi Walber, que foi para o Sport em contrato que, a princípio, vai ser de empréstimo.

Vale ressatar que, dos 10 clubes que disputam o Campeonato Paraibano, apenas o Botafogo-PB vai jogar também a Copa do Nordeste. Portanto, o Belo vai ter duas competições mais intensas neste primeiro semestre. Na Copa do Brasil, os representantes são o Alvinegro e o Campinense, atuais campeão e vice estaduais.

CONFIRA O ELENCO DO BOTAFOGO-PB PARA 2019:
Goleiros: Saulo, Rhuan e Hudson Júnior
Laterais-direitos: Nêgo Potiguar, Roniery e Israel
Zagueiros: Willian Goiano, Lula e Donato
Laterais-esquerdos: Fábio Alves e Charles
Volantes: Rogério e Carlão
Meias: Marcos Aurélio, Clayton, Marcus Vinícius e Ronaldo Viana
Atacantes: Netinho, Dico, Adalgiso Pitbull, Paulo Renê, Nando e Rafael Ibiapino
Técnico: Evaristo Piza

Altos e baixos marcaram as últimas temporadas do Atlético de Cajazeiras no Campeonato Paraibano. Enquanto o time ficou entre os quatro primeiros e foi para o mata-mata em 2017, o 2018 foi de brigar para não cair e, por fim, de sobreviver no quadrangular da morte. No entanto, o que teve em comum nas duas campanhas do Trovão foi que, em ambas as competições, o técnico Ederson Araújo teve participação, seja por ajudar a equipe a brigar pela vaga no G-4 no ano retrasado, como também por salvar do rebaixamento nesse último ano. É por essas e outras que comandante é o trunfo cajazeirense para o Campeonato Paraibano de 2019.

Para o novo ano, o Atlético-PB viveu momentos de tensão, não tinha um presidente e perigou chegar à competição repleto de indefinições. Contudo, parece que as coisas mudaram e o clube investiu no elenco. Afinal, o principal reforço foi o meia Marcinho, que acumula passagens por diversos clubes tradicionais no país. Na Paraíba, o jogador foi camisa 10 de Botafogo-PB e Campinense e chega ao Trovão Azul aos 37 anos e ainda com lenha para queimar.

Por fim e não menos importante, é preciso ficar de olho. Num elenco com um nome pesado como o de Marcinho, e de remanescentes que costumam se destacar na equipe, como os dos volantes Luiz Gustavo e Romerito, o lateral-esquerdo Jackinha pode ser uma peça interessante. O ex-jogador do Campinense chega sem muito holofote ao município de Cajazeiras, mas pode dar a bagagem necessária para que o clube faça um bom estadual.

CONFIRA O ELENCO DO ATLÉTICO-PB PARA 2019:
Goleiros: Fernando Henrique e Alexandre
Laterais-direitos: Michel e Felipe
Zagueiros: Lucas Rocha, Saulo e Renan
Laterais-esquerdos: Jackinha e Pedro
Volantes: Luiz Gustavo, Jeferson Ceará, Romerito e Hugo
Meias: Leandro Ferreira, Marcinho e Mendes
Atacantes: Soares, Samuel Rodrigues, Bruno e Tchê Tchê
Técnico: Ederson Araújo

Atual campeão paraibano da 2ª divisão, o Esporte de Patos aposta praticamente na mesma base que disputou a competição no segundo semestre de 2018. O problema é que o time sofreu algumas perdas, como a do meia Enercino, principal jogador da equipe na conquista da divisão de acesso. O camisa 10 fechou com o Ferroviário-CE e deixou o Patinho, que apostou em Carioca, ex-CSP, para preencher a lacuna.

Além deles, o time perdeu ainda o goleiro Rhuan, o zagueiro Walber e o meia Fillipi Pires, todos retornando de empréstimo do Botafogo-PB (do Belo, Walber foi para o Sport). Outra mudança que aconteceu foi no comando técnico, no qual Marcos Nascimento passou de treinador para gerente de futebol. Com isso, Washington Lobo, nome bastante conhecido no futebol do estado, é quem vai dirigir o time na beira do campo.

No elenco do Patinho, porém, existem jogadores que foram muito bem na disputa da Segundona, como o atacante Ruan, autor de 5 gols na competição, e o volante Ieures. Além disso, o clube se reforçou com atletas experientes: o lateral-direito Morcego e o zagueiro Eduardo Sousa.

Com um grupo aparentemente entrosado, o Esporte de Patos chega ao Paraibano de 2019 com o objetivo de permanecer na elite.

CONFIRA O ELENCO DO ESPORTE DE PATOS PARA 2019:
Goleiros: Evandrízio, Matheus e Jonathan
Laterais-direitos: Morcego e Jeferson
Zagueiros: Marinho, Eduardo Sousa, Iago Lopes e Augusto
Laterais-esquerdos: Nino Potiguar e Wanderson
Volantes: Ivan, Marcílio, Ieures, Renan Nunes, Otávio, Emerson Papa e Matheus Chagas
Meias: Felipe Quaresma, Cleyton, Neto Parelhas, Wallace e Carioca
Atacantes: Cesinha, Ruan, Douglas Reis e Carlos Caaporã
Técnico: Washington Lobo

Vice-campeã da Segundona e alvo de um imbróglio judicial que parecia não ter fim, a Perilima está mais do que confirmada na elite do Campeonato Paraibano de 2019. É que, com a polêmica envolvendo a suposta escalação irregular do meia Brenno Yuri, o clube correu o risco de ser declassificado da 1ª divisão do estado. Mas o STJD entendeu que que está tudo regular – segue o jogo.

Com grande investimento, a Águia se prepara para surpreender. É que o principal nome do time comandado pelo técnico mexicano Ricardo Campos, Marcelinho Paraíba, renovou e vai disputar mais uma temporada pelo futebol profissional. O camisa 10 e capitão da equipe promete muito empenho para voltar a levantar o título estadual, algo que ele só conseguiu pelo Campinense na década de 1990.

Além do camisa 10, o time trouxe outros nomes pesados, como o do zagueiro Renato Silva, ex-Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama. Também fechou com a Águia o goleiro Pantera, campeão do Nordeste pelo Campinense em 2013.

Mas também é bom ficar de olho: a dupla de ataque da Perilima é bastante pesada. Cesinha e Manu, nomes quase que certos no Campeonato Paraibano, chegam para disputar a 1ª divisão com status ainda mais elevados, afinal, se destacaram na Segundona, somando 11 gols ao todo.

Com investimento pesado e um time bem encaixado, a Perilima pode surpreender no Paraibano.

CONFRIA O ELENCO DA PERILIMA PARA 2019:
Goleiros: Pantera
Laterais-direitos: Jonathan, Anderson e Fabiano Buchecha
Zagueiros: Matheus Camargo, Renato Silva, Thiago Bob, Arlan e Alysson
Laterais-esquerdos: Lucas Piauí
Volantes: Nonato e Ezequias
Meias: Marcelinho Paraíba, Rodrigo Paraíba, Júnior Lira, Renatinho, Juninho e Gabriel
Atacantes: Cesinha, Manu, Tibério Paraíba, Marcos Vinícius e Edgo
Técnico: Ricardo Campos

Um time completamente novo. O Campinense remodelou todo o elenco para jogar a temporada 2019. Inclusive, o nome mais conhecido está na área técnica: Francisco Diá, o último treinador que conseguiu dar um título ao Rubro-Negro. Já em relação aos jogadores, nenhum é remanescente, e isso gera um ponto de interrogação até mesmo no torcedor mais otimista.

No entanto, o lateral-direito Gustavo, com vasta bagagem no futebol do estado, não é bem uma cara nova. Afinal, o jogador retorna ao Estádio Renatão para este ano. Outro que chama a atenção é o volante Dedé, que chega pela primeira vez ao futebol paraibano. Aos 24 anos, o carioca foi revelado pelo Botafogo e tem passagens por outros clubes do Rio de Janeiro, como Bangu, Boavista e Cabofriense.

Além dele, a versão 2019 do Campinense vai ser marcada por apostas, e nisso a responsabilidade de Francisco Diá só aumenta. Além do estadual, a Raposa vai jogar a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro da Série D. A participação no mata-mata mais importante do futebol brasileiro é de suma importância para as pretensões raposeiras, já que uma classificação pode resultar em aumento nas rendas e também nos próximos rankings da CBF.

CONFIRA O ELENCO DO CAMPINENSE PARA 2019:
Goleiros: Wagner Coradin, Diego Neto e Caio Ruan
Laterais-direitos: Neílson e Gustavo
Zagueiros: Richardson, Henrique Mattos, Jean e Matheus
Laterais-esquerdos: Alemão, James e João Victor
Volantes: Romeu, Dedé, Cléber, Odair, Gabriel e João Vitor
Meias: Alex Mineiro, Alisson Xabala e João Paulo
Atacantes: Lopeu, Afonso Júnior, Felipe Tchelé, Dênis, Cleiton, Warlei e Chaveirinho
Técnico: Francisco Diá

Diferentemente do Campinense, que reformulou todo o elenco, o CSP não mudou tanta coisa assim. Afinal, o time é praticamente o mesmo da temporada 2018. A grande diferença até aqui é que o experiente atacante Lúcio Curió está de volta ao Tigre. E é justamente ele a única novidade da equipe de João Pessoa, que vai apostar no elenco que chegou ao mata-mata no Campeonato Paraibano de 2018. Para agregar valores à equipe, está também boa parte do grupo que conquistou o estadual sub-19, seguindo a política do clube de revelar jogadores.

Dentro de campo, além de Curió, os destaques são o goleiro Wallace e o meia Leandro. No entanto, comumente o clube costuma revelar talentos. Enquanto nisso, se no ano passado o técnico foi o ex-zagueiro Léo Olveira, a partir de 2019, o papel vai caber a Tazinho. O treinador, que retornou ao CSP em 2018, mas atuando como auxiliar-técnico, vai ser a principal referência na área técnica.

Porém, assim como a política do clube de revelar jogadores, é também costume uma atuação pesada nos treinamentos de Josivaldo Alves, presidente do Conselho Deliberativo e nome mais forte do Tigre.

CONFIRA O ELENCO DO CSP PARA 2019:
Goleiros: Wallace, Arthur e Nathan
Laterais-direitos: Igor e Bahia
Zagueiros: Gilmar, Victor, Anderson Lima e Inha
Laterais-esquerdos: Fábio e Darlan
Volantes: Geo, Senegal, Gustavo e Ramon
Meias: Léo Silva, Leandro e Arthur Diego
Atacantes: Lúcio Curió, Henrique, Léo Alves, Di e Klayvert
Técnico: Tazinho e Josivaldo Alves

*Ge Com a colaboração de Expedito Madruga

Ambulantes que trabalham nas ruas do Centro de João Pessoa prometem interditar as ruas em protesto pela retirada das barracas do Centro de João Pessoa. A remoção deve ser feita pela Prefeitura, acatando a recomendaçãodo Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio da 2ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente e Patrimônio Social de João Pessoa.

O secretário de Desenvolvimento Urbano, Zennedy Bezerra, informou que na próxima semana vai se reunir com os representantes dos ambulantes para iniciar as discussões para que seja feita a retirada.

A presidente da Associação dos Ambulantes e Trabalhadores em Geral da Paraíba (AMEG), Márcia Medeiros, afirmou que os ambulantes vão lutar fechando espaços e reivindicando à Prefeitura e à Câmara (que está fechada para o recesso parlamentar).

“A gente não tem salário, o pessoal sobrevive disso aqui. Se chegar a Guarda [Municipal] com arma de choque e os cachorros para jogar em cima do nosso povo, vamos fechar via de trânsito. Nossa categoria merece o direito de poder trabalhar (…) a luta vai se estender até que tenha uma solução”, disse.

Segundo o promotor de Justiça João Geraldo Barbosa, foi constatado durante inquérito civil público um elevado número de vendedores ambulantes e lojistas que se utilizam ilegalmente do passeio público e de ruas principais, impossibilitando a locomoção de pedestres e prejudicando a mobilidade urbana.

João Geraldo informou que a prefeitura tem até abril para realizar a retirada, levando em conta a suspensão dos prazos legais, inclusive os decorrentes do recesso forense.

O promotor destaca que o Código de Posturas da capital estabelece que o comércio ambulante depende de licença prévia do órgão competente da prefeitura e deve ser feito em locais predeterminados e de fácil acesso ao público, apenas no horário comercial. Além disso, o Código diz que o ambulante não tem direito a permanência definitiva.

paraiba.com.br

Uma série de sinais de rádio (fast radio bursts, ou simplesmente “FRB”) intermitentes e repetidos foram detectados pelo telescópio presente no observatório CHIME, na Columbia Britânica, Canadá. Os sinais, segundo os astrônomos, estão a cerca de 1,5 bilhão de anos-luz de distância, mas especialistas asseguram que ele vem de uma única fonte.

Ao todo, foram 13 emissões do mesmo sinal, feitas em caráter sucessivo, e os astrônomos não sabem apontam o propósito delas. Essa não é a primeira vez que algo do gênero é captado pela tecnologia da Terra: “Saber que existe mais uma [série de sinais] sugere que muitos outros podem existir”, disse Ingrid Stair, uma astrofísica da Universidade da Columbia Britânica. “Com mais repetidores e mais fontes disponíveis para estudo, nós talvez possamos compreender estes quebra-cabeças cósmicos — de onde eles vêm e o que os causa”.

O observatório CHIME, na Columbia Britânica (Foto: Will Ivy/Alamy)
A aparição anterior também foi detectada pelo observatório, embora por um outro telescópio. A presença desta segunda série de FRBs indica, segundo os especialistas, que há um padrão de repetição destes sinais vindos do mesmo ponto no espaço. A equipe do CHIME conta que, quanto mais FRBs forem detectados, mais fácil será determinar o seu ponto de origem e sua causa. A outra aparição ocorreu em 2012, a 2,5 bilhões de anos-luz de distância.

O CHIME também conta que esta série de sinais é a primeira a ser detectada em uma frequência baixa de ondas: a 400 MHz (Megahertz), os sinais mais recentes superam o recorde anterior, que era de 700 MHz. Os especialistas não souberam dizer o que isso significa (e, claro, muita gente já imagina que finalmente os ETs revelaram sua existência, ainda que a emissão de tais sinais tenha outras explicações possíveis provenientes de fenômenos astronômicos), mas informam que a detecção de sinais de rádio em frequências menores podem revelar detalhes sobre o ambiente ao redor do ponto de onde eles se originaram — se há muito gás próximo, por exemplo.

O Observartório CHIME é localizado nos arredores de Penticton, na Colúmbia Britânica. Ele possui antenas semicilíndricas de 100 metros de tamanho e opera 24 horas por dia, escaneando o céu pela região norte da Terra, tornando-se uma ferramenta essencial na detecção de FRBs. Esta segunda série de sinais captados veio quando o telescópio não estava em seu maior ponto de sensibilidade, o que significa que o observatório poderá, um dia, localizar dúzias de sinais todo dia.

Canal Tech

O procurador nacional da Fazenda e pastor da Fundação Cidade Viva, Sérgio Queiroz, entrará em exercício nesta sexta-feira (11) como Secretário Nacional de Proteção Global, pasta subordinada ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

“As expectativas são as melhores. Pretendemos defender os direitos humanos de maneira ampla, respeitando a constituição, as leis do país e os tratados internacionais que o Brasil é signatário”, declarou.

Perguntado se projetos implantados por sua igreja poderiam ser utilizados como base na sua gestão, ele afirmou: “ainda é muito cedo para falar de projetos, mas, certamente, experiências bem sucedidas de instituições como a Cidade Viva podem vir a se tornar políticas públicas”.

A Cidade Viva conta com diversos projetos sociais que inclui auxílio a ex-presidiários, moradores de ruas e usuários de drogas.

paraiba.com.br

O tamanho das porções de comida servidas em restaurantes populares contribui para o aumento da obesidade. A conclusão é de um estudo que pesou e mediu o valor calórico de uma refeição completa, em cinco países: Brasil, China, Finlândia, Gana e Índia. Excetuando a refeição chinesa, o volume calórico por prato feito (PF), como se diz no Brasil, chega a ser, em média, 33% maior do que a de um lanche de fast food (comida rápida).

O consumo das porções servidas em restaurante populares fornece entre 70% e 120% das necessidades calóricas diárias para uma mulher sedentária, cerca de 2 mil quilocalorias (kcal).

“Os profissionais da área da saúde que lidam com pessoas obesas estão muito preocupados em orientar a população para não comer fast food, mas, na hora que vai ver a refeição completa, ela também está exagerada”, afirma a pesquisadora brasileira Vivian Suen, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP).

O trabalho, coordenado pela Tufts University e com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi publicado no British Medical Journal.

Na média, os fast foods ofereciam refeições com 809 calorias, enquanto as servidas à la carte (que constam do cardápio), 1.317 kcal. A pesquisadora alerta que o resultado não indica que o fast food é uma refeição mais saudável, pois não foi analisado cada nutriente, mas chama a atenção para o PF, que poderia ser uma refeição equilibrada e que, na verdade, está contribuindo para o ganho de peso.

Além da quantidade de comida oferecida pelos restaurantes em uma única refeição, também foram percebidos preparos que fazem aumentar o ganho calórico. Vivian cita como exemplo o arroz, que comumente está brilhante, indicando cozimento com excesso de óleo.

“O estudo não focou na qualidade, mas podemos dizer que tanto no aspecto quantitativo quanto no qualitativo, essa alimentação não é saudável. Precisa prestar atenção nesse prato feito, que é uma refeição completa, mas que não está sendo saudável”, alertou. Os dados mostram que 94% os pratos à la carte e 72% dos servidos em fast foods continham mais de 600 kcal, mais que o consumo energético por refeição recomendado pelo Sistema de Saúde Pública da Inglaterra (NHS).

O estudo mediu as calorias de 223 amostras de pratos populares e de 111 refeições escolhidas aleatoriamente à la carte e de fast foods de restaurantes de Ribeirão Perto (Brasil), Pequim (China), Kuopio (Finlândia), Acra (Gana) e Bangalore (Índia). Eram considerados restaurantes que ficam a um raio 25 qiuilômetros de cada centros de pesquisa.

Conforme as medições, o tradicional PF brasileiro, com arroz, feijão, frango, mandioca, salada e pão, tem 841 gramas e 1.656 kcal. O clássico ganês fufu, com carne de bode e sopa, tem 1.105 gramas e 1.151 kcal. O típico prato indiano biryani de carneiro tem 1.012 gramas e 1.463 kcal.

Organismo resiste
A obesidade é considerada uma epidemia global pela OMS. Estima-se que 1,9 bilhão de adultos tenham sobrepeso, dos quais 600 milhões estão obesos. “Diabetes, colesterol aumentado, aumento do triglicerídeos, pressão alta, tudo isso que a gente sabe que acompanha a obesidade quando ela se torna uma doença crônica”, destaca Vivian.

A pesquisadora explica que as porções exageradas têm efeito no chamado mecanismo compensatório. “São pessoas que não conseguem compensar numa refeição seguinte o que ela comeu antes. O organismo do obeso desenvolve defesas contra perda de peso.” Segundo Vivian, a pessoa obesa perderia a percepção para regular a quantidade de comida necessária para a refeição subsequente.

Outro problema é que o organismo de pessoas obesas cria resistência à perda de peso. De acordo com a pesquisadora, que há casos descritos na literatura médica em que, à medida que se reduz a ingestão calórica, a pessoa em tratamento começa a gastar menos calorias. “Parece que o organismo, a partir de certo peso, tenta manter o peso que tinha antes. Ninguém sabe explicar ainda como é que isso realmente funciona.”

Vivian diz que o melhor é prevenir o ganho de peso. “Se você vai a um desses restaurantes em que a porção é excessiva, divida. Não coma tudo. E tente, dentro daquilo que existe disponível, escolher as opções mais saudáveis. Depois que a pessoa ganha peso é muito difícil perder”, recomenda a pesquisadora, que aconselha ainda mudanças no ato de comer, como mastigar devagar e dar mordidas menores na comida.

portalcorreio

Em nota divulgada em sua página do Facebook nesta quarta-feira, 9, a marca Dragão se defendeu de acusações que estão se espalhando na internet sobre vídeos em que um suposto filho do dono da empresa faz ataques xenofóbicos a nordestinos. A polêmica envolvendo discurso de ódio e eleitores do presidente Bolsonaro ganhou as redes e gerou uma campanha de boicote à marca.

Em tom de piada, alguns rapazes comemoram a vitória do atual presidente da república e acusa o nordeste de “gastar o dinheiro que sudeste produz”.  Eles fazem ameaças como “agora é faca na caveira, a gente não vai mais suportar esse pessoal”.

No início da tarde desta quarta-feira (9), a empresa publicou uma nota repudiando o conteúdo do vídeo e negando o envolvimento da marca. A nota também ressalta que a empresa é genuinamente nordestina.

“Vimos esclarecer ao público, bem como aos nossos consumidores o nosso repúdio ao conteúdo veiculado no vídeo e nas mensagens que circulam nas redes sociais envolvendo o nome da marca DRAGÃO, caracterizando portanto #FAKENEWS.

Ressaltamos, contudo, que a DRAGÃO é uma empresa genuinamente NORDESTINA com muito orgulho, tendo fábricas nos estados de PERNAMBUCO, ALAGOAS E CEARÁ atuando há mais de 70 anos no mercado do Norte/Nordeste.

Lembramos ainda que o compartilhamento de #FAKENEWS é crime, previsto em lei.”

Posted by Dragão on Wednesday, January 9, 2019

FONTE: diariodocentrodomundo

Depois de ter as imagens divulgadas na redes sociais em que faz críticas às regiões Norte e Nordeste, o empresário Lucas Campos, de 32 anos, divulgou um nota em que pede desculpas pelas declarações gravadas em 30 de dezembro, que classificou como uma brincadeira “infeliz e de péssimo gosto”.

No vídeo de 51 segundos que viralizou nos últimos dias, o empresário aparece em uma roda de amigos comemorando a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pela Presidência da República.

“Ele (Bolsonaro) falou que é o seguinte: agora é faca na caveira; A gente não vai mais suportar esse pessoal do Acre, de Roraima, do Norte”, disse. O amigo Vinícius Raposo, veterinário de 29 anos, que veste uma camisa do Atlético mineiro, ainda completa: “Essa galera do Nordeste”.

Em seguida, Lucas concorda: “Exatamente, a gente tá cansado de produzir e aí vai lá e mula e aí vai lá, não sei o que, não tem água…”, declara.

Na nota assinada pelos dois, eles dizem que em momento algum tiveram a intenção de agredir verbalmente “qualquer pessoa ou grupo de pessoas, tampouco quisemos expressar ali um sentimento de ódio, preconceito, discriminação ou incitação de violência. Nunca foi nossa intenção”.

Em entrevista ao Estado de Minas, Lucas Campos afirmou que já recebeu várias ameaças por meio de mensagens nas redes sociais.

Leia a íntegra da nota

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Vimos, através da presente nota, pedir desculpas e retratar-nos do conteúdo do vídeo gravado em 30/12/2018 e viralizado nos últimos dias. Em momento algum, tivemos a intenção de agredir verbalmente qualquer pessoa ou grupo de pessoas, tampouco quisemos expressar ali um sentimento de ódio, preconceito, discriminação ou incitação de violência. Nunca foi nossa intenção. Aludido vídeo foi gravado em uma roda de amigos, e visava uma brincadeira privada, brincadeira essa que, reconhecemos ser infeliz e de péssimo gosto. Veiculada de forma descontextualizada, tomou proporções inimagináveis, motivo pelo qual, de pronto, a rechaçamos e manifestamos total retratação. Reiteramos o pedido de sinceras desculpas a todos aqueles que, por qualquer motivo, se sentiram ofendidos com as palavras ditas por nós, que não condizem com as nossas convicções. Independentemente disso, no entanto, pedimos desculpas a todas as pessoas que de alguma forma foram atingidas pelo conteúdo desse vídeo e expressamos aqui a nossa certeza de que esse tipo de assunto não deve ser motivo de brincadeiras, mesmo que internas.

Lucas Campos e Vinicíus Raposo

 

FONTE: Portal do Litoral Sul