Documentário “As Cores da Serpente” entra em cartaz no Cine Banguê

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O documentário “As Cores da Serpente” entra, nesta quinta-feira (16), na programação do Cine Banguê, na Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc). A produção da Angola/Brasil tem direção de Juca Badaró e traz um registro afetivo sobre a história do Coletivo Murais da Leba, a maior intervenção de grafite da África, procurando entender as motivações dos artistas participantes. A programação completa está disponível na página www.funesc.pb.gov.br.

Já a produção ‘Inferninho’, que teve pré-estreia na quinta-feira passada, passa a fazer parte da programação. Além das duas estreias, quatro longas da semana anterior permanecem em cartaz: ‘Mormaço’, ‘O Último Trago’, ‘Los silencios’ e ‘Fevereiros’. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

As Cores da Serpente é gravado na Serra da Leba, composta pela província de Huila e Namibe, tem um histórico de 30 anos vividos em guerra. Buscando se relacionar com sua tradição e ancestralidade, um grupo de artistas angolanos busca pintar os mais de seis mil metros quadrados dos paredões que envolvem a região. A classificação indicativa é 12 anos e o documentário tem duração de 1h11min.

A outra estreia, ‘Inferninho’ é uma produção brasileira de 2018 com 1h22min de duração. O drama dirigido por Guto Parente e Pedro Diógenes conta a história de Deusimar, a dona do Inferninho, bar que é um refúgio de sonhos e fantasias.

Ela quer deixar tudo para trás e ir embora para um lugar distante. Jarbas, o marinheiro que acaba de chegar, sonha em ancorar e fincar raízes. O amor que nasce entre os dois vai transformar por completo o cotidiano do bar. No elenco estão Yuri Yamamoto, Demick Lopes, Samya de Lavor, Rafael Martins, Tatiana Amorim, Paulo Ess, Galba Nogueira, Pedro Domingues, Gustavo Lopes.

Filmes que continuam em cartaz
Também documentário, ‘Fevereiros’ destaca Maria Bethânia. Esse filme foi responsável por registrar a vitória da escola de samba carioca Estação Primeira de Mangueira em 2016, que teve um enredo homenageando a cantora baiana. Além de filmar a escola e os preparativos do barracão, a produção ainda acompanhou a cantora nas festas da Nossa Senhora da Purificação, na Bahia.

‘Los silencios’ é uma produção entre Brasil, Colômbia e França. Esse trabalho foi um dos destaques do Festival Sesc Melhores Filmes, em São Paulo. A sinopse é a seguinte: Amparo (Marleyda Soto) é mãe de dois filhos pequenos e está fugindo dos conflitos armados da Colômbia.

Na tríplice fronteira do país com o Peru e o Brasil, ela e os meninos se abrigam em uma pequena ilha com casas de palafita no Rio Amazonas. No local, eles encontram o pai (Enrique Diaz), que supostamente estava morto.

Já o filme brasileiro ‘Mormaço’ é uma ficção dirigida por Marina Meliande. A produção é ambientada no Rio de Janeiro, no ano de 2016. O verão mais quente da história. A cidade está se preparando para os Jogos Olímpicos. Ana, uma defensora pública de 32 anos, trabalha na defesa de uma comunidade ameaçada de remoção pelas obras do Parque Olímpico.

Enquanto isso, misteriosas manchas roxas, similares a fungos, aparecem em seu corpo. Coisas estranhas começam a acontecer na cidade e no corpo de Ana. A temperatura sobe, criando uma atmosfera úmida e sufocante. O mormaço acumula, abrindo caminho para uma forte chuva. No elenco estão Marina Provenzzano, Pedro Gracindo, Diego de Abreu, Analu Prestes, Igor Angelkorte, Sandra Souza, Jéssica Barbosa.

‘O Último Trago’ é um drama brasileiro dirigido por Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti. O filme mostra uma mulher resgatada à beira da estrada incorpora o espírito de uma guerreira indígena desencadeando uma série de eventos que atravessam os tempos e os espaços. Do sertão nordestino ao litoral, séculos de lutas de dominação e resistência.

portal correio