Painéis solares têm eficácia afetada por altos índices de poluição na China

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Os índices de poluição da China podem alcançar níveis extremos, tanto que estamos acostumados a ver imagens de cidades chinesas envoltas em nevoeiros compostos por material particulado e fumaça, assim como da população tentando se proteger com o uso de máscaras.

A situação é tão crítica que, segundo estudos realizados há alguns anos, os territórios que fazem fronteira com a China também são afetados pela poluição, sem falar que milhares de pessoas morrem por conta de complicações decorrentes da péssima qualidade do ar; um estudo publicado em 2016 revelou que um em cada três falecimentos no país pode estar relacionado ao problema.

Bloqueio solar
No entanto, não é só a saúde da população que sofre com a preocupante poluição decorrente do crescimento superacelerado da indústria e do elevado uso de carvão e de outros combustíveis nas últimas décadas. De acordo com uma pesquisa divulgada há alguns dias, a situação é tão crítica que o material particulado em suspensão no ar chega a bloquear parcialmente a luz do sol.

Para se ter ideia, o estudo apontou que os painéis solares instalados na China têm a sua eficácia afetada e apresentaram uma queda de 15% na geração de energia. A análise foi realizada com base em dados obtidos entre os anos de 1960 e 2015 em 119 estações de monitoramento espalhadas pela China e levou em consideração diferentes tipos de instalações solares do país, desde as domésticas até as que são capazes de se mover para acompanhar o movimento do sol, incluindo os parques solares.

O levantamento revelou que, até 2016, a redução na geração de energia por conta do bloqueio dos raios solares causou à China um prejuízo de US$ 1,9 bilhão anuais (o equivalente a R$ 7,1 bilhões), e a queda de 15% seria suficiente para abastecer 1,3 milhão de residências nos Estados Unidos por 1 ano.

A boa notícia é que os chineses pretendem fazer cada vez mais uso de energias renováveis, e, caso os níveis de poluição no ar forem reduzidos aos índices dos anos 1950 e 1960 na próxima década, o que os cientistas acreditam que é possível se o país se empenhar, o ganho energético poderia ser superior a US$ 6 bilhões (R$ 22,5 bilhões) ao ano, além de beneficiar a saúde da população e do Planeta.

tecmundo.com.br