Sete coisas que você não deve fazer no celular Android

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O celular Android requer alguns cuidados importantes para garantir segurança e funcionamento pleno. Presente em 85,9% dos smartphones no mundo segundo levantamento da IDC, o sistema operacional do Google dá liberdade para o usuário baixar apps de qualquer lugar, expandir o armazenamento e até explorar pastas internas do dispositivo. No entanto, é preciso ter precaução ao aproveitar essa flexibilidade. Veja, a seguir, sete coisas que você não deve fazer no telefone para evitar problemas.

1. Apagar pastas importantes
Ao navegar no gerenciador de arquivos do celular, é importante ter cuidado para não apagar pastas de aplicativos e do sistema. O sistema operacional está protegido contra esse tipo de interferência se você não fez root no smartphone, mas alguns diretórios de aplicativos podem ser modificados pelo usuário e, com isso, prejudicar seu funcionamento. A menos que saiba muito bem o que está fazendo, não exclua nada que esteja fora da pasta Download, Documentos e de fotos (DCIM).

2. Baixar apps de fora da Google Play
Baixar aplicativos fora da Google Play pode comprometer seriamente a segurança do celular. Apps com APK disponibilizado em lojas alternativas podem conter modificações para camuflar vírus e outros códigos maliciosos perigosos, abrindo caminho para hackers roubarem dados pessoais, por exemplo. Além disso, apps que não passam no crivo do Google podem não funcionar corretamente, prejudicando o desempenho do smartphone no dia a dia. Em todo caso, prefira sempre fazer download na Play Store.

3. Ficar sem antivírus
Se você não se sente seguro para avaliar possíveis tentativas de golpe na internet, um bom antivírus para Android pode ajudar. Antivírus não costumam ter muita utilidade para usuários que tomam cuidado para não baixar apps perigosos ou clicar em links suspeitos. No entanto, os mais desatentos podem precisar lançar mão de um aplicativo de segurança para melhorar a proteção. Apps antivírus, vale lembrar, não só bloqueiam malware baixado no celular, mas também alertam sobre potencial ataque de phishing via SMS e e-mail.

4. Ignorar atualizações de software
Não ignore a notificação que avisa quando uma nova versão do software está disponível: assim que o alerta surgir na tela, conecte no Wi-Fi, ligue o aparelho no carregador e execute o procedimento o quanto antes. Além de novas funções, atualizações do Android trazem melhorias importantes de segurança que devem ser implementadas no sistema o mais rápido possível, diminuindo as chances de seu celular ser alvo de ataques de hackers que buscam explorar vulnerabilidade conhecidas.

5. Deixar apps desatualizados
Atualizações de aplicativos também costumam trazer correções de bugs de segurança e, por isso, não devem ser ignoradas. É importante ter atenção principalmente com apps bancários e outros que lidam com informações financeiras, já uma vulnerabilidade nesse tipo de programa pode significar perda de informações sensíveis. No entanto, em alguns casos, até apps aparentemente inofensivos como o WhatsApp podem ter falhas sérias. Por via das dúvidas, deixe o Google Play configurado para atualizar tudo automaticamente sempre que o celular estiver no Wi-Fi e conectado a uma fonte de energia.

6. Limpar memória com frequência
Aplicativos disponíveis no Google Play que prometem melhorar o desempenho do celular podem mais atrapalhar do que ajudar se não forem usados com parcimônia. Esses apps geralmente trabalham com limpeza de memória, um artifício que pode dar a impressão imediata de aumento de velocidade, mas, na prática, tende a prejudicar o sistema. Com memória sempre limpa, o celular tem mais trabalho para carregar o Facebook e demais apps usados frequentemente, aumentando o consumo de energia e outros recursos do aparelho. A recomendação, é somente lançar mão de limpadores em último caso.

7. Usar cartão microSD de baixa qualidade
Vários celulares Android permitem expandir a memória com cartão microSD, mas o acessório pode trazer prejuízo se não tiver as especificações ideais. Cartões de memória de baixo custo podem reduzir drasticamente a velocidade de operação do smartphone e até corromper dados, apagando fotos e vídeos importantes armazenados ali. A dica é usar cartões novos de pelo menos Classe 10, que entregam boa performance para a maioria dos telefones. Quanto mais potente for o celular, melhor deverá ser o acessório: se você tem um Galaxy S10 ou outro equivalente, opte por microSD de classe UHS 1 ou UHS 3.

techtudo