• (83)98801-4603
  • contato@portalmangabeira.com.br

Trauminha adota sistema eletrônico para classificação de risco; entenda

A partir deste mês, a classificação de risco dos pacientes que ingressam no Complexo Hospitalar de Mangabeira Governador Tarcísio de Miranda Burity (Ortotrauma), em João Pessoa, será feita por meio de um sistema eletrônico, o Gehos. O programa é atualizado para incluir todas as informações dos usuários e, segundo a Saúde da Capital, a medida deverá agilizar o atendimento. Os funcionários já estão recebendo o treinamento para operacionalização do sistema.

De acordo com a diretora-geral, Fabiana Araújo, numa primeira etapa, os dados dos pacientes serão incluídos na classificação de risco, que é o momento em que o paciente é avaliado, ao ingressar na unidade hospitalar, sendo direcionado ao setor competente para tratar de sua enfermidade.

“Após a consolidação dos sintomas do paciente, o prontuário é impresso, mas posteriormente, tudo será informatizado. Nosso objetivo com isto é proporcionar mais segurança ao paciente, que é um dos nossos pilares, junto à higienização das mãos e à segurança nas cirurgias”, explica Fabiana Araújo.

Por meio do sistema Gehos, há uma otimização na gestão do tempo de permanência dos usuários. O sistema classifica os pacientes de acordo com o tempo de internamento, utilizando o método Kanban, desenvolvido pelo sistema Toyota de produção. O método identifica os pacientes com tempo regular de internamento pela cor verde. Quando ele permanece por mais dias, as cores mudam para amarelo e vermelho.

Os profissionais do Núcleo Interno de Regulação (NIR) avaliam o fluxo dos pacientes conforme as cores, contribuindo para a realização de condutas que reduzam o tempo de permanência hospitalar, como a adoção de novos tratamentos, caso o que está sendo realizado não esteja proporcionando a recuperação esperada.

“Quando estiver funcionando, o prontuário eletrônico vai conter a identificação do paciente, com seu endereço, número de cartão SUS, bem como o motivo de entrada na unidade hospitalar. Quando ele precisar retornar, o profissional que o atender estará ciente dos diagnósticos anteriores e resultados dos exames. No sistema manual, não é possível obter todas estas informações instantaneamente”, explica Fabiana Araújo.

Portal Correio