USO CONSTANTE DE FONES DE OUVIDO PODE CAUSAR PROBLEMAS

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um acessório cada vez mais comum entre os adolescentes pode se tornar um vilão se não for utilizado com cautela. O uso diário de fones de ouvido em alto volume compromete, aos poucos, a audição e há o risco de levar à surdez precoce em adolescentes, público que usado com maior frequência. O alerta é feito durante o Novembro Laranja, quando acontece a Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido, mas tem validade permanente. O ideal é manter o volume em 50%.

Há seis anos, o jornalista Felipe Lima, 22, passou a utilizar o fone de ouvido para tudo, desde ouvir música, a acompanhar filmes, séries e até no trabalho. São pelo menos oito horas de exposição diárias, desde os 16 anos. O volume, normalmente, fica em torno de 70%, mas ele garante que tem tentado manter num nível que permita ouvir as pessoas ao redor. “Não ouço zumbidos, mas tenho medo de me prejudicar e vou começar a moderar”, prometeu.

A fonoaudióloga Marine Raquel Diniz da Rosa, que coordena o grupo de pesquisa sobre Audição e Zumbido, do Centro de Ciências Sociais (CCS), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), observou que o fone de ouvido não é proibido. Porém, é preciso ficar atento a alguns detalhes como o nível de volume e tempo a que o ouvido é exposto ao barulho.

Embora ainda não tenha percebido as consequências do excesso, pelo uso frequente, Felipe é um sério candidato a ter problemas, segundo ela. “O zumbido é um sintoma de que algo não está funcionando bem. Geralmente, indica que há uma possível perda auditiva. Outro sintoma é a sensação de ouvido tampado, redução auditiva e dor”.

Perda piora com a idade. Se o ouvido está exposto a ruído e continuar exposto sem proteção, a perda auditiva vai progredindo. Por outro lado, tem a questão degenerativa do envelhecimento, assim como ocorre com o cabelo branco, principalmente nas frequências mais agudas, conforme a médica.

“Depende de cada um também, mas a gente tem visto que algumas pessoas têm se preocupado, utilizando fones em bebês, por exemplo”, observou fonoaudióloga Marine Raquel Diniz da Rosa.

Exames

Audiometria: Vê os limiares para saber quanto ouve e se tem alguma perda.

Imitanciometria: Avalia a orelha média para ver se tem excreção que esteja obstruindo o ‘caminho’ auditivo e impedindo a audição.

Não existe padrão seguro

Não há um padrão considerado seguro para utilização de fones de ouvido e o volume. Na realidade, como existem várias marcas no mercado, é preciso observar a qualidade do acessório.

De acordo com Marine da Rosa, alguns são mais baratos, mas não é possível saber a procedência e não tem como dizer se pode ouvir com o volume em 50%. Por outro lado, segundo ela, alguns aparelhos inteligentes avisam quando aumenta o volume.

Tratamento

Para quem já sofre com ruídos, zumbidos e ou perda auditiva, existem tratamentos diferentes para cada tipo de problema. Se for infecção, a terapia é medicamentosa. Se for por ruído, se já existe a lesão nas células ciliadas, a solução é o aparelho auditivo. “Hoje temos várias opções de microaparelhos que ninguém consegue visualizar. Outros são coloridos e parecem fones de ouvido. Há os coloridos, com glitter, da cor do cabelo, digitais com várias programações”, observou Marine da Rosa.

Em último caso, com a perda congênita, ou casos mais avançados de perda profunda, de causa hereditária, a solução é implante coclear.

Fones de inserção

É preciso ficar atento à recomendação dos médicos, principalmente ao utilizar o acessório do tipo de inserção. “Este modelo fica mais próximo à membrana do tímpano e, se utilizado em intensidade elevada, se torna mais perigoso”, afirmou Marine da Rosa.

Outro detalhe que merece atenção é o cuidado na questão da higiene. “A cera é produzida para proteção do ouvido, mas se tiver sempre um corpo estranho, que é como o ouvido interpreta o acessório, vai produzir mais cerume”.

Ela afirmou que isso não tem consequência para a saúde porque é apenas uma proteção, mas lembra sobre a necessidade maior de se fazer a limpeza. A orientação é não usar hastes de algodão.

correiodaparaiba