Grupo de idosas moradoras do Cabo Branco pedem a vereador que deficientes deixem de frequentar a praia

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Cinco idosas residentes no metro quadrado mais caro da Paraíba, o bairro do Cabo Branco querem que pessoas com alguma deficiência deixem de frequentar a praia. A informação foi confirmada pela vereadora Helena Holanda, que revelou ao Portal ClickPB o susto que tomou com a solicitação feita pelas senhoras na própria Câmara Municipal de João Pessoa, na manhã desta quarta-feira (21).

Segundo a vereadora, o grupo a procurou para pedir que ela impedisse ou restringisse a presença de pessoas com deficiência na orla da capital paraibana, já que ela é uma das incentivadoras do projeto Praia Cidadão, existente há mais de oito anos. O projeto acontece todos os sábados, no trecho em frente à Fundação Casa de José Américo, contando também com o apoio de voluntários que são orientados para atender às necessidades especiais dos usuários.

“As idosas me procuraram, em tom de intimação, para que eu mudasse o local do projeto porque estava incomodando, segundo elas, as pessoas ilustres que residem no local, ainda tiveram a ousadia de dizer essa aberração. Eu não respondi à altura porque são pessoas idosas e eu devo receber as demandas e executar se puder e achar necessário. Essa eu jamais executarei. Pelo contrário, o projeto vai permanecer lá e será ampliado”, explicou Helena, que é militante dos idosos e deficientes. A parlamentar que tem 69 anos está em seu primeiro mandato. Ela é do Partido Progressista.

De acordo com ela, depois desse pedido, o programa Acesso Cidadão será ampliado mais ainda. “Esse programa traz muitos benefícios às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Elas passam a aproveitar o fim de semana de uma forma mais saudável e depois disso, aí que será ampliado mesmo”, explicou.

O projeto é uma parceria da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Planejamento (Seplan), com a Fundação Casa José Américo; a ONG Assessoria e Consultoria para Inclusão Social; e a Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad).